.... SABER COMER E SABER BEBER ............................... Bom serviço na restauração

Memória futura : Günter Grass o escritor que ganhou o Nobel e elegeu o Algarve

13-04-2015 23:39

Share on printShare on emailShare on twitter

 
 

13-04-2015 - 22:26

Günter Grass o escritor que ganhou o Nobel e elegeu o Algarve, faleceu esta segunda-feira aos 87 anos. O escritor encontrava-se numa clínica de Lübeck, na zona norte da Alemanha.

 

A relação entre o escritor Günter Grass e Portugal era estreita. Passava pelo Algarve, onde tinha uma casa no concelho de Portimão, e onde expunha a sua obra como artista plástico no Centro Cultural de São Lourenço, em Almancil, mas essa ligação ao país passava também e muito por José Saramago. Até o discurso de aceitação do seu Prémio Nobel foi parcialmente escrito em Portugal.

 

Segundo relatou hoje o "Público", Claudia Hann-Rabe, directora do Goethe-Institut, Grass vinha a Portugal "porque podia trabalhar com calma, podia concentrar-se. Parte do discurso do Nobel", acrescenta, "foi escrito em Portugal". "Adorava o povo português, a revolução de 1974", recorda, e a forma como Portugal encontrou a democracia.

 

Seu antecessor no Nobel da Literatura (Saramago recebeu o prémio em 1998, Grass em 1999 e com o voto de apoio do português), os dois escritores partilharam editores como Drenka Willen na Houghton Mifflin Harcourt e a obra póstuma do romancista português, Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas (2014), contou com ilustrações do amigo. José Saramago foi o primeiro editor de Günter Grass em Portugal", recorda, "e quando Saramago recebeu o Nobel disse que tinha pudor de receber um prémio que Günter Grass não tinha". Partilharam "viagens, congressos, momentos" e quando foi convidado a ilustrar Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas, "mandou três desenhos para a capa mas quando viu o texto de Saramago enviou muitos mais", que acabariam por integrar a obra. 

 

A sua relação com o calor do sul português era igualmente próxima. No seu diário de viagens Em Viagem - De Uma Alemanha à Outra (1990, D. Quixote), Günter Grass fala sobre o Vale das Eiras algarvio onde tinha casa, sem televisão, com muitos desenhos a tinta de choco, de lula ou de polvo e plantas de que se ocupava, desde a década de 1980. 

 

O Centro Cultural de São Lourenço em Almancil, fundado pelo casal franco-alemão Marie e Volker Huber e encerrado em Abril de 2012, recebia-o frequentemente. Em 1984, expôs ali pela primeira vez os seus trabalhos de ilustração e a ligação não mais se quebrou - ali voltaria a expor em 1986, 1988, 1991, 1993, 1994 e 1999. Marie Huber recordou ao jornal "Público", como a relação começou: em 1984, Grass "visitou a galeria com a mulher e as crianças, tinha uma família numerosa. Passámos a tarde aqui e simpatizámos uns com uns outros". Lembra "um homem muito aberto, que gostava de falar do seu trabalho" e que muitas vezes brindava o casal amigo com leituras de inéditos ou de excertos de obras ainda por terminar. "Tive a sorte de mostrar várias vezes a minha obra gráfica, as aguarelas, os desenhos e as esculturas, em exposições acompanhadas geralmente de uma leitura do meu livro recém-publicado", escreveu Günter Grass em 2012 num texto enviado a Marie Huber em homenagem ao marido, Volker. Foram ali lidos pelo Nobel excertos de O Meu Século, Mau Agoiro ou O Andar do Caranguejo.

 

Quando Grass, que visitava três ou quatro vezes por ano a sua casa junto à serra de Monchique, estava no centro cultural muitos ali acorriam para o ver. E para ver uma obra que era desconhecida do grande público. "Ao princípio ninguém sabia que ele era também um artista plástico e pouco a pouco o público habituou-se a apreciar os seus desenhos, ilustrações, esculturas", conta Marie Huber. A relação entre os escritos e a vertente plástica era estreita, explica Marie Huber. "A sua obra plástica estava sempre relacionada com a obra escrita - ele escreveu num texto de um catálogo que 'às vezes a imagem está presente antes da palavra'", diz a francesa residente no Algarve. "Desenhava primeiro e depois verificava se a ideia se mantinha. Uma relação muito intensa entre essas duas maneiras de comunicar."

 

A última vez que o escritor e artista esteve em Almancil foi em 2012, referiu Marie Huber, sendo que entre 2002 e 2006 ainda foi alvo de retrospectivas organizadas pelo centro e espalhadas pelo país, de Tavira a Lisboa - a última das quais no Goethe-Institut em Portugal. A sua directora, Claudia Hann-Rabe, convidou Grass a voltar em 2014 ao Goethe, mas o seu médico já não lhe permitia viagens longas. "Não tinha medo. Ninguém podia dizer-lhe o que fazer", descreve Hann-Rabe, a quem Grass disse, quando foi colocada em Portugal "Que país maravilhoso! Que sorte!". 

 

Em 2010, Grass emprestou o seu "alto patrocínio" à primeira edição do Festival Internacional de Literatura do Algarve em Aljezur e dois anos antes e em Lisboa via o seu trabalho integrado na exposição Desenhos de Escritores, que reuniu no Museu Berardo cerca de 300 obras de escritores desenhadores.  

 

Algarve Primeiro

 

Contatos

Raul Manuel Valente

raulmvalente@gmail.com

Vila Real Santo António

Portugal

+351963700439

Procurar no site

Contacte-nos

Amigo(a)

    Caso queira ajudar nos custos da manutenção e desenvolvimento do site, pode participar com uma pequena contribuição (1€).

 

Produtos

Raul valente.pt

Desenvolvido por Webnode